Dados do Observatório do Crack, da Confederação Nacional de Municípios (CNM) aponta que a região do médio norte de Mato Grosso possui alta incidência de pessoas envolvidas com o uso do crack.

Cidades como TapurahLucas do Rio Verde e Sorriso, aparecem no ranking de alto índice de problemas relacionados ao consumo de crack se comparado ao número de habitantes. Já as cidades de Nova Mutum e Sinop estão classificadas com média incidência.

De acordo com o observatório, das 5.568 prefeituras de todo o país, cerca de 3.196 (56,91% do total) relatam alto ou médio uso da droga entre seus habitantes.

Dos 140 municípios mato-grossenses, 30 apresentaram alto índice de consumo de crack, outros 49 relatam média e 33 com baixa incidência de dependentes. Do total apenas três municípios de Mato grosso apontaram não ter problemas com a droga.

Em Lucas, a maioria dos usuários fica na praça central

Na sessão da Câmara de Vereadores de Lucas do Rio Verde ocorrida na noite de ontem (05) os Edis destacaram a necessidade de um ação rápida para conter esse número de usuários de drogas. E cobraram também que a criação da Secretaria de Segurança e Defesa Pública seja realizada logo, pois a cidade registrou nesta segunda-feira o 19º homicídio em 2017, e na maioria dos casos a droga está relacionada.

Em março a Prefeitura, por meio das secretarias de Assistência Social e Habitação, Saúde e da futura pasta de Segurança e Defesa, com o apoio da Polícia Militar, Guarda Municipal, Defensoria Pública e da Casa de Acolhida Bom Samaritano, realizaram abordagens na Praça dos Migrantes, local de maior incidência de usuários de drogas.

Na época os usuários abordados, alguns solicitaram auxílio para voltar aos familiares nas cidades de origem, outros foram encaminhados para a Casa de Acolhida Bom Samaritano, onde foi realizada a confecção de novos documentos e teve até aqueles que conseguiram emprego. Porém, muitos permaneceram no local, não aceitando ajuda, após isso muitos outros chegaram.

O CRACK

E uma droga sintética extraída dos restos químicos do processo de produção da cocaína. Ele surgiu nos Estados Unidos em 1981 e chegou ao Brasil aproximadamente em 1990. De lá para cá os dados sobre seu consumo têm se tornado um tema cada vez mais recorrente e a droga já pode ser considerada epidêmica, abrangendo todo o território nacional e atingindo tanto as metrópoles quanto as pequenas cidades do interior.

O crack normalmente é obtido em blocos sólidos ou cristais de cores diferentes como: amarelo, rosa-claro ou branco, a droga é a forma mais potente da cocaína, etambém o mais arriscado. É entre 75% e 100% mais puro, muito mais forte e mais potente que a cocaína comum.