O vice-governador e secretário estadual de Meio Ambiente, Carlos Favaro, participou em Cali, na Colômbia, no Centro Integral de Agricultura Tropical, da conferência 20 x 20 onde foram tratadas propostas governamentais e da iniciativa privada para fortalecer o aumento da produção de alimentos e com maior proteção ambiental em diversos países. Até agora, já foram levantados mais de US$ 730 milhões para estas metas, por meio 13 parceiros institucionais que estão motivados para lidar com múltiplas agendas de restauração regional. Ministros da Argentina, Peru, Nicarágua, Colômbia e representantes de outros países participaram.

“Apresentamos as metas ousadas que Mato Grosso estabeleceu quando o governador Pedro Taques estabeleceu, na COP 21, em 2015, que visa zerar o desmatamento ilegal até 2020 e as estretégias que estamos colocando em prática”, disse Favaro. Ele também detalhou o PCI – Produzir, Conservar e Integrar – “que é plataforma transversal que leva oportunidade para que Mato Grosso se torne cada vez mais referência, um gigante na produção de alimentos e que se conserve como um gigante na preservação, mantendo os 62% de floresta completamente nativa” e com foco “nos assentamentos rurais que ainda carecem de mão amiga do Estado”. Ele acrescentou que o governo vem fazendo seu dever de casa ao reduzir nos últimos 10 anos 80% do desmatamento na Amazônia, dos quais 19% (dados preliminares) entre 2015 e 2016. A média de desmatamento que era de 5.714 km², entre 2001 e 2010, caiu para 1.290 km² no ano passado, com variações que compreendem: 1.120 km² (2011), 757 km² (2012), 1.139 km² (2013), 1.075 km² (2014) e 1.601 km² (2015).

Carlos Favaro também expôs os avanços da SEMA com novo modelo do CAR- Cadastro Ambiental Rural- “que permite diagnóstico muito forte e rápido de dados sobre as propriedades rurais. Esperamos ainda no mês d