Em Nova Mutum, uma operação que envolveu 10 policiais militares resultou na prisão de oito pessoas, apreensão de um caminhão com 2,8 toneladas de inseticida contrabandeados, além de R$ 8 mil, quatro carros e rádios transmissores.

A ação começou com a apuração de uma denúncia pela Agência de Inteligência do 14° Comando Regional da Polícia Militar. Policiais da Força Tática e do 26º Batalhão, que flagraram a quadrilha pouco antes do descarregamento do produto, que teria acabado de chegar do Paraguai.

O defensivo, de uso proibido no Brasil, seria deixado em um depósito onde já acontecia a transação comercial. No local, dentro de uma plantação de grãos um pouco afastada da cidade, os policiais apreenderam o caminhão com a carga (sem nota fiscal comprovando origem e pagamento de impostos), além de pouco mais de 8 mil, quatro veículos e rádios transmissores.

Os quatro carros, sendo três Fiat Strada e um Fiat Pálio, seriam usados como batedores, ou seja, carros que acompanhavam o caminhão com o contrabando e informavam pelos rádios situações que pudessem colocar o transporte em perigo, como a presença da polícia e de barreiras de fiscalização.

APREENSÕES ANTERIORES

Essa é a segunda carga de inseticida ilegal apreendida pela PM em 15 dias. A anterior, no dia 31 de janeiro, dois homens foram presos por policiais do 13º Batalhão e uma carga similar de defensivos agrícolas foi apreendida no município de Lucas do Rio Verde.

Em dezembro de 2016, outro carregamento de agrotóxicos, esse de pouco mais de 300 quilos, já havia sido apreendido pela PM em um bairro de Lucas do Rio Verde.

CRIMES RURAIS

A Polícia Militar intensificou o policiamento no campo visando o combate ao roubo de defensivos, equipamentos  e outros produtos em propriedades e comunidades rurais.

O comandante interino do 14º Comando Regional, tenente-coronel Cláudio Fernando Carneiro Sousa, diz que esse reforço é uma determinação do Comando Geral da PM e do Governo do Estado.

O tenente-coronel Fernando observa que além do contrabando, na área rural há furtos e roubos de defensivos. “Produtos que são roubados nas fazendas e vendidos para outros fazendeiros”, assinala.