educaçãoA Secretaria de Estado de Educação (Seduc) vai investir mais de R$ 2,5 milhões ao ano em um projeto-piloto de combate ao analfabetismo em municípios com baixos índices de alfabetização. Serão beneficiadas, inicialmente, cerca de 18,3 mil pessoas.

Ontem, o secretário de Educação, Marco Marrafon, e os prefeitos de Nossa Senhora do Livramento, Carlos Roberto da Costa; Planalto da Serra, Angelina Pereira; e Ipiranga do Norte, Pedro Ferronato; além da prefeita eleita de Chapada dos Guimarães, Telma de Oliveira, assinaram o termo de cooperação para a implantação do projeto-piloto que terá o nome de Programa Muxirum da Alfabetização.

O programa contempla ainda, na primeira fase, outros quatro municípios, com diferentes taxas de pessoas sem instrução formal: Várzea Grande, Acorizal, Jangada e Tapurah.

Marrafon destacou que a iniciativa visa a implementação de ações conjuntas que assegurem a instrução de pessoas jovens, adultas e idosas dessas regiões. A Seduc vai garantir a formação de coordenadores e formadores de turmas, o custeio de bolsas aos alfabetizadores, a cessão de salas de aulas em prédios do Estado e demais necessidades.

Já o município terá a responsabilidade de mobilizar a sociedade, selecionar e manter os coordenadores locais, vinculados às Secretarias Municipais de Educação, auxiliar na busca de pessoas analfabetas, ceder espaços funcionais, entre outras tarefas. “Queremos estabelecer uma política intensa de combate a esse problema e erradicar o analfabetismo em Mato Grosso. É uma mudança de postura”.

Dados do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontaram que cerca de 196 mil pessoas acima de 15 anos, em Mato Grosso, não sabiam ler e escrever naquele ano. Esse número representaria 7,8% da população mato-grossense.

Segundo Marco Marrafon, o objetivo do projeto-piloto é mostrar à sociedade que a erradicação é possível. E, a partir das experiências exitosas nesses municípios, expandir a ideia para outras regiões do estado. “Temos a necessidade muito grande de implantar essa política pública e precisamos contar com a parceria das prefeituras”.

O prefeito Carlos Roberto da Costa enfatizou a união de esforços entre Estado e municípios. “A taxa de analfabetismo de N. S. do Livramento é bem expressiva e bastante preocupante; no mundo competitivo em que vivemos, para a pessoa que não tem nenhum grau de instrução as oportunidades serão muito restritas, quase inexistentes. Portanto, precisamos dessas parcerias”, afirmou.

As taxas de analfabetismo nos oito municípios participantes do projeto-piloto variam de 5,2% a 23,6% das respectivas populações. Acorizal possui cerca de 980 pessoas analfabetas, o que representa 23,6% da população.

Nossa Senhora do Livramento vem logo abaixo, registrando aproximadamente duas mil pessoas, ou seja, 22,8% da população. Nova Brasilândia e Jangada contam com cerca de 20,2%, sendo 690 e 1.118 analfabetos, respectivamente.

Em seguida está Planalto da Serra, com 274 pessoas analfabetas, cerca de 13,9% da popula