Sorriso: Superbactéria KPC contamina Hospital Regional e UTI é interditada

Processo de desinfecção ainda será feito para controlar surto

222

regional de sorrisoA superbactéria KPC contaminou o Hospital Regional de Sorriso e a Unidade de Terapia Intensiva precisou ser interditada. O processo de desinfecção será feito para controlar o surto que continua atacando a UTI, onde ficam os pacientes que passam por intercorrências clínicas ou cirúrgicas que colocam em risco a sua saúde.

O Portal apurou que a interdição da UTI ocorreu ontem. Os pacientes já internados não foram transferidos.

Porém, eles terão que receber alta da UTI para ser iniciado o processo de desinfecção, já que o local precisa estar vazio para o procedimento.

Não há previsão, porém, de quando todos terão alta. Os demais pacientes que chegarem ao HRS e precisarem ser internados na UTI terão que ser regulados em outras unidades médicas do Estado, já que a Unidade de Terapia Intensiva segue interditada.

As causas da contaminação ainda não foram informadas. Segundo uma fonte, devido aos atrasos nos repasses ao hospital, já faltaram até insumos básicos e cirurgias foram adiadas por falta de material esterilizado.

O risco de aparecimento da bactéria também ocorre caso as normas de desinfecção e higiente sejam desrespeitas.

De acordo com informações, os primeiros indícios de contaminação foram encontrados em pacientes internados na UTI, mas ainda não se sabe se há outros casos de KPC em pessoas que estão nas salas intermediárias da UTI e nas enfermarias do Hospital Regional de Sorriso.

O contágio da bactéria KPC acontece por contato, mas não socialmente.

No caso de pacientes acamados infectados, a chance é maior de uma contaminação.

Sobre a KPC

Conforme consta no site do médico Drauzio Varella, “a bactéria KPC (Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase) , a“superbactéria” pode ser encontrada em fezes, na água, no solo, em vegetais, cereais e frutas. A transmissão ocorre em ambiente hospitalar, através do contato com secreções do paciente infectado, desde que não sejam respeitadas normas básicas de desinfecção e higiene”.

Consta, ainda, que “a KPC pode causar pneumonia, infecções sanguíneas, no trato urinário, em feridas cirúrgicas, enfermidades que podem evoluir para um quadro de infecção generalizada, muitas vezes, mortal”.

A KPC é um tipo de bactéria resistente à maior parte dos remédios antibióticos, que quando entra no organismo é capaz de produzir infecções graves.

A transmissão da bactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase pode ser feita através do contato direto com saliva e outras secreções do paciente infectado ou através da partilha de objetos contaminados.

Esta bactéria já foi encontrada em terminais rodoviários e banheiros públicos, e como pode facilmente se espalhar através do contato com a pele ou pelo ar, qualquer pessoa pode ser contaminada.