Senador diz que parte dos alunos está em ocupações para ‘fumar maconha’

Fala de José Medeiros (PSD-MT) gerou discussão no plenário do Senado. Oposicionistas classificaram declaração de 'desrespeito' e 'absurdo'.

31

senado alunosO senador José Medeiros (PSD-MT) provocou uma discussão no plenário do Senado na tarde desta segunda-feira (31) ao afirmar que “boa parte” dos alunos que está ocupando escolas pelo país para protestar contra a reforma do ensino médio e a proposta que estabelece um teto para os gastos públicos federais aderiu ao movimento “para fumar maconha”.

O parlamentar mato-grossense disse ainda que uma parcela dos estudantes que criticam a definição de um limite para as despesas públicas sequer leu o texto da Proposta de Emenda à Contituição (PEC).

Segundo levantamento, 21 estados e o Distrito Federal tinham escolas e institutos ocupados por estudantes até a última quinta-feira (27). A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) apontou que havia 1.154 ocupações em escolas, institutos e universidades estaduais, federais e municipais.

“Eu vou te falar uma coisa: desses meninos que estão na escola, boa parte, tem uns lá que é para fumar maconha. Estão indo lá para fumar maconha e matar os outros. Acabaram de matar um”, discursou José Medeiros no plenário do Senado.

A fala do parlamentar do PSD gerou reação de senadores petistas que estavam no plenário.

“Que desrespeito! O que é isso, senador?”, protestou Fátima Bezerra (PT-RN).

“Senador Medeiros, isso é um absurdo”, exclamou Lindbergh Farias (PT-RJ).

Em resposta às críticas dos oposicionistas, o parlamentar do Mato Grosso alegou que parte dos estudantes que está ocupando as escolas “foi levada” por militantes petistas.

“Você chega para os meninos, para boa parte deles, e pergunta: ‘Você sabe por que você está aqui?’ ‘Ah, porque eu sou contra a PEC do ensino.’ ‘O que diz ela?’ ‘Eu não li.’ Boa parte deles. Essa é a verdade”, argumentou Medeiros.

“Então, os pais que estão deixando os seus filhos lá saibam que os seus filhos estão correndo risco de vida”, acrescentou o senador do PSD.

Em seguida, Fátima Bezerra pediu a palavra para dizer que repudiava as declarações do colega de Senado.

“Não repita mais isso! Não venha mais aqui agredir estudantes! Não use mais o microfone desta Casa para insultar estudantes, para humilhar estudantes, para desrespeitar estudantes! É um desserviço à luta em defesa da educação do país”, reclamou a petista.

A estudante Ana Júlia Ribeiro concedeu entrevistas e tirou selfies ao participar de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado (Foto: Gustavo Garcia / G1)
A estudante Ana Júlia Ribeiro concedeu entrevistas e tirou selfies ao participar de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado (Foto: Gustavo Garcia / G1)

‘Manifestação legítima’
Na manhã desta segunda-feira, durante audiência pública destinada a debater eventuais impactos da PEC do teto de gastos na área da educação, a estudante paranaense Ana Júlia Ribeiro, 16 anos, defendeu que é “legítima” a manifestação dos estudantes por meio da ocupação de escolas.

A jovem deixou o anonimato e viralizou nas redes sociais depois de discursar na semana passada na tribuna da Assembleia Legislativa do Paraná para defender a ocupação do Colégio Estadual Senador Alencar Guimarães, de Curitiba.

Na ocasião, Ana Júlia disse que as mãos dos deputados estaduais do Paraná estavam “sujas” com o sangue do adolescente Lucas Mota, morto dentro de uma escola ocupada pelo movimento estudantil.

Convidada a participar nesta segunda de uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado, ela ressaltou que o movimento secundarista não tem ligações com partidos políticos.

“Queremos escolas para todos, com infraestrutura, uma escola que passe para a gente o ensino da cidadania”, disse a estudante do Paraná.

Ana Júlia também disse que os estudantes que ocuparam centenas de escolas pelo país têm sofrido “repressão violenta” de pessoas contrárias ao movimento.

“Infelizmente, nós temos sofrido repressão de movimentos contrários. E a repressão está sendo violenta. Repressão que, na calada da noite, passa nas escolas. Repressão que passa com som alto, tocando o Hino Nacional, como se nós não respeitássemos o Hino”, destacou a estudante.

A aluna paranaense também afirmou que os parlamentares que votarem a favor da PEC do teto ficarão com as “mãos sujas” por 20 anos.

“Em relação à PEC 55, a antiga PEC 241, eu quero dizer uma coisa: aqueles que votarem contra a educação estarão com as mãos sujas por 20 anos”, complementou a estudante, sob aplausos dos parlamentares e convidados da Comissão de Direitos Humanos.